Dengue

 

A dengue é uma doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, um mosquito pequeno, coloração escura e listras brancas que possui hábitos diurnos e vive dentro ou nas proximidades das habitações urbanas;  se reproduz na água limpa e parada, como lagos, poças de água e água contida em garrafas, vasos, pneus velhos jogados em quintais.. A dengue é uma doença perigosa, que pode, inclusive, levar à morte. O número de casos aumenta no período de chuvas, mas é preciso combater o mosquito durante todo o ano.

Como se Proteger

Cuidado: O mosquito da dengue ataca durante o dia.

Uma pesquisa iniciada em 1992, descobriu que uma árvore indiana chamada Azaractina indica-jus, conhecida como neem, exala uma substância que inibe o apetite sexual do mosquito Aedes aegypti (causador da dengue) e, consequentemente, sua reprodução, afastando-o da área onde existe a árvore. Também pode ser feito um inseticida natural contra o mosquito da dengue triturando a folha da neem com água.

Em água corrente não há risco de larvas. O mosquito só se reproduz em águas paradas.

As larvas não sobrevivem a temperaturas superiores a 30 graus centígrados. Mas os focos de água parada dificilmente atingem, com o calor do sol, uma temperatura que cause a destruição das larvas. As temperaturas ideais para o mosquito manter sua atividade normal e picar um ser humano são entre 25 graus e 30 graus centígardos. Abaixo e acima dessas temperaturas, ele reduz sua atividade normal e não pica o ser humano. Acima de 42 e abaixo de cinco graus centígrados, o “Aedes Egypti” morre.

Os ovos do Aedes aegypti podem germinar até um ano depois. Eles são postos pela fêmea na superfície da água e grudam nas paredes dos recipientes. Os vasilhames devem ser esvaziados e têm de ser lavados e esfregados com escova. Do contrário, quando houver reposição de água, os ovos voltam a se desenvolver.

Os animais caseiros (cães, gatos, pássaros) não pegam dengue. O mosquito só pica seres humanos.

Aquários não são focos do mosquito. Além de ter água em movimento por causa dos filtros, os peixes são predadores naturais das larvas do mosquito.

Não é possível pegar dengue na praia. O Aedes Egypti é um mosquito caseiro, que prefere ambientes fechados. Na praia, ele não consegue estabilizar seu vôo por causa do vento. Ele não gosta de temperaturas altas.

Sintomas

Toda pessoa que apresentar esses sintomas deve procurar um posto de saúde para obter orientação médica.

O dengue diminui a produção de plaquetas (células que fecham buraquinhos dos vasos) por sua ação na medula, onde elas são fabricadas. Os anticorpos produzidos para reagir ao vírus destroem plaquetas. Há em média 200 mil plaquetas em indivíduos sãos, mas o índice normal de plaquetas pode variar de 450 mil a 150 mil. No dengue hemorrágico, o número de plaquetas cai para menos de cem mil. Os sangramentos acontecem quando as plaquetas estão abaixo de 50 mil.

A forma mais branda da doença pode não apresentar sintomas. É possível contrair a forma hemorrágica, sem ter contraído dengue clássico. Tudo vai depender da intensidade do vírus e da resistência do paciente. É possível ter mais de um tipo de dengue e não desenvolver a forma hemorrágica da doença. Isso depende da resistência do organismo do indivíduo.

Após a picada do mosquito, a doença pode levar de três a 15 dias para se manifestar. Especialistas informam que o tempo médio de surgimento dos primeiros sintomas é de cinco a sete dias.

Contágio

  1. O mosquito não infectado pica uma pessoa infectada (A pessoa infectada pode transmitir o vírus para o mosquito durante seis dias. Ou seja, um dia antes de começar a sentir os sintomas e nos cinco primeiros dias da doença.) com o vírus tipo 1, por exemplo. A partir daí, o inseto passa a ser portador do vírus. O período para que o mosquito se torne transmissor da doença varia de oito a 12 dias.
  2. O contágio acontece quando o mesmo mosquito pica uma pessoa diferente. A pessoa contrai a doença se nunca tiver sido contaminada pelo mesmo vírus, no exemplo, do tipo 1.
  3. A forma hemorrágica acontece quando alguém que já contraiu um tipo de vírus da dengue (o tipo 1, por exemplo) é picada por um mosquito portador de outro vírus (do tipo 2 ou 3). Isso ocorre mesmo que a pessoa não esteja mais doente. As hemorragias acontecem quando o novo vírus entra em contato com os anticorpos cridos na primeira contaminação.

Nem todas as pessoas picadas pelo mosquito contraem a doença. As que têm mais defesas imunológicas podem ser picadas e não contrair o dengue.

Cuidados Extras

Uma boa alimentação à base de frutas, hortaliças e carnes magras é fundamental para enfrentar a virose e manter o organismo bem hidratado, evitando quedas de pressão e a evolução da doença para a sua forma hemorrágica.

O problema maior da alimentação é a falta de apetite drástica que os doentes de dengue apresentam.

A dieta deve ser leve e de fácil digestão e absorção, uma vez que os pacientes apresentam mudança em sua flora orgânica, com o crescimento das substâncias patogênicas, devido ao estado febril. Líquidos são fundamentais. Os pacientes devem consumir sucos, principalmente os ricos em vitamina C, para aumentar a absorção de ferro pelo organismo, caso estejam fazendo um quadro de anemia

A ingestão de líquidos é fundamental para o paciente com dengue. É preciso beber muita água para hidratar o corpo e fazer muito repouso.

Medicamento

Qualquer medicamento à base de ácido acetil salicílico é totalmente contra-indicado, pois pode acarretar sangramento. Os antiinflamatórios (Aspirina, Voltaren, Cataflan) reduzem as dores e a febre, mas são perigosos porque promovem pequenas lesões no trato digestivo, que podem degenerar em hemorragias.

Os antitérmicos mais indicados são os feitos à base de paracetamol (Tylenol, Dôrico, entre outros). Controlam a febre e são analgésicos fracos. Mas em doses altas, acima de quatro gramas por dia para adultos, o paracetamol provoca lesões hepáticas. Como no curso da dengue o paciente tem hepatite, as altas doses podem transformá-la numa hepatite grave. Para crianças, a dose máxima é medida em gotas e varia de acordo com o peso da criança e nunca pode exceder 35 gotas por dose.

Consulte o seu médico.